Back to All Events

Danças Ocultas_ Portugal

Concerto \Concert

SEXTA-FEIRA FRIDAY 24 NOV. 21H30-23H00
ANTIGA SÉ DE IDANHA-A-VELHA

CONCERTOS: Entrada livre sujeita à lotação das salas
Por motivos de segurança a porta será encerrada assim que a lotação estiver preenchida. As portas abrem +-30‘ antes do início dos concertos.

CONCERTS: Free entry subject to room capacity
For safety reasons, the door will be shut as soon as the room is full to capacity. Doors open +-30’ before the concerts start.


Danças Ocultas

PORTUGAL


Artur Fernandes
Filipe Cal
Filipe Ricardo
Francisco Miguel

 

PROGRAMA \PROGRAMME

Folia 1,5
Héptimo 4,5
Dança I 1,5
Bulgar 2
Tarab 4,5
Queda d’água 1,5
Moda assim ao lado 1,5
Alento 3
Esse olhar 4
Sorriso 3,5
Diatónico 2
Luzazul 4
Tristes europeus 3,5
Casa do rio 3
Dança II 1,5
No(c)turno das 7 1

1 - CD “Danças Ocultas”, EMI-VC, 1996
2 - CD “Ar”, EMI-VC, 1998
3 - CD “Pulsar”, Magic Music, 2004
4 - CD “Tarab” Numérica, 2009

Todo o repertório, composições e arranjos: Danças Ocultas
Full repertoire, compositions and arrangements: Danças Ocultas

 

PT O acordeão diatónico – em Portugal conhecido por concertina – é um instrumento concebido na primeira metade do século XIX, e seguidamente aperfeiçoado por diversos construtores europeus, que ainda hoje ecoa memórias de uma outra forma de habitar o espaço musical: um tempo anterior ao disco, à rádio. Continua, porém, a ser uma máquina de construir sonhos; e, por isso uma máquina de inventar futuros possíveis, de fazer sentidos.
Desde maio de 1989 Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo e Francisco Miguel organizaram-se em torno de um sonho: o de desenvolverem as suas aptidões como executantes enquanto investigavam as possibilidades de afastar o instrumento do folclore tradicional, respeitando o que então entendiam como a “vontade da concertina”, mas fazendo para ela uma música nova. Esses tempos conduziram a um nome para o quarteto e ao primeiro disco homónimo, Danças Ocultas (1996), com um repertório onde predominavam as composições de Artur Fernandes.
Veio depois um tempo aventuroso, menos ingénuo e com mais engenho, que resultou do convívio alargado, das progressões em palco, das primeiras viagens e colaborações, transformando o grupo em núcleo de criatividade distribuída, com a publicação de um segundo disco, intitulado Ar (1998) – onde afirmaram os princípios de uma gramática musical própria e a introdução de algumas inovações técnicas, como a invenção e construção de uma concertina-baixo.
Passou-se então à experimentação das ligações entre essa gramática e uma visão assumidamente mais universalista e transcultural do fenómeno musical e da cultura contemporânea. Jogos de som, de ritmo e de harmonia, produzindo sentido, em diálogo com a estética contemporânea. Nela se inscrevem, por exemplo, as diversas colaborações dos Danças Ocultas com as artes cénicas – designadamente em coreografias de Paulo Ribeiro, para as quais compuseram material original – bem como o repertório integrado no terceiro disco, Pulsar (2004), a partir do qual todas as composições e arranjos passaram a ser assinados coletivamente.
Em outubro de 2009 foi publicado o quarto álbum, intitulado Tarab, um termo árabe para designar o estado de elevação, celebração e comunhão espiritual – um êxtase – que é atingido simultaneamente pelo executante e pelo ouvinte durante um ato musical bem conseguido: Tarab é o objetivo da música e dos esforços de quem a pratica. Tarab assinalou o recentramento do grupo numa reinterpretação dinâmica do seu percurso comum, e uma nova afirmação da música como linguagem de fraternidade universal.
O espetáculo de palco, com projeção multimedia de Luís Girão, foi estreado no X Festival de Músicas do Mundo de Sines.
O grupo foi eleito para a Seleção oficial da Womex 2010, certame que nesse ano foi concluído com um concerto de encerramento pelos Danças Ocultas no Koncerhuset de Copenhaga. E houve óbvias consequências desde então: concertos em 11 países (nalguns deles pela primeira vez, como no caso da Hungria, Suécia, Croácia e Taiwan), e a edição da coletânea «Alento», que reune os quatro anteriores álbuns de originais – a caminho de novas aventuras.
Em 2014 dão início a uma colaboração com a jovem cantora e violoncelista Brasileira, radicada em Paris, Dom la Nena que dá origem à gravação de 1 EP, “Arco” que reúne temas de ambos, que apresentaram em digressão por Portugal e que a par dos seus concertos em nome próprio têm também apresentado noutros países
Em 2016 surgiram com um novo álbum – Amplitude – que surgiu da colaboração com a Orquestra Filarmonia das Beiras. “Amplitude” é o espaço abrangido por uma vibração. Esta dimensão sonora foi partilhada por Danças Ocultas e Orquestra Filarmonia das Beiras, durante dois anos de progressões em palco, que confluíram, em Maio de 2015, a duas das mais importantes salas do país: a Sala Suggia da Casa da Música, no Porto e o Grande Auditório do CCB, em Lisboa. Nestes concertos juntaram-se os convidados Carminho, Dead Combo e Rodrigo Leão, que muito contribuíram para contagiar a magia musical às plateias repletas das duas salas. Ampliou-se então, ao grande público, essa magia com a edição do registo ao vivo destes concertos.
Esta música inundou os palcos da Casa da Música e do CCB, em duas noites muito particulares e especiais, com convidados que representam igualmente o melhor da música portuguesa e o lado mais nobre do espírito de aventura de Danças Ocultas. “Amplitude” é a vontade de partilhar esta música com um público maior.
As Danças Ocultas preparam agora o seu novo disco de originais que contará com a produção de Jaques Morelenbaum, reputadíssimo maestro, compositor e violoncelista brasileiro com um notável curriculum de colaborações com Caetano Veloso, Marisa Monte, António Carlos Jobim, Ryuichi Sakamoto, David Byrne e Cesária Évora, entre outros. Este novo trabalho terá edição nacional e internacional.
Jorge P. Pires

EN The diatonic accordion (named as ‘concertina’ in Portugal) is an instrument created in the first half of XIX century, later worked to perfection, by several European instrument makers and today it echoes memories coming from a different musical ambience: a time before the record and the radio inventions. But it continues being a ‘dream machine’ ready to invent possible futures and making senses.
In May 1989, Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo and Francisco Miguel had a dream to look for and worked their musical performance skills meanwhile they studied the possibilities of taking this instrument away from folklore music ways, accepting what then was known as ” the concertina will”, but writing a new music for it. This was the time that led the band to its name and to its first record, Danças Ocultas (1996), with a repertory on which predominate Artur Fernandes compositions.
After that, came a adventuring time, less ingenuous and more artistic, resulting from the continuous contacts with other performers, from experiences on stage, from the first travels and partnerships, motivating the change of the group into a sharing creativity nucleus and leading to the recording of “Ar” the second record which affirms the beginning of a self musical grammar and shows some technical innovations like the use of a specially built “bass concertina”.
Since then the band has been experiencing the links between that musical grammar and a more universal and trans-cultural view of the musical phenomenon as well as the contemporaneous cultural ways. This concept allowed the band to often perform within scenic arts, namely in Paulo Ribeiro choreographies for which the band composed original music, as well as the repertoire of Pulsar, its third record, Pulsar (2004), after which all the compositions and musical arrangements start to be signed collectively. Sound, rhythm and harmony games between the past and the future, making sense, in a dialog with contemporary aesthetic.
In October 2009, a new work was published: Its name is Tarab, an arabic word meaning a state of elevation, celebration and spiritual communion that is struck both by the performer and by the listener during a well done musical act. Tarab is ecstasy. Tarab is the goal of music as well as of those who practice it. Tarab notes now the refocusing of the group, a dynamic reinterpretation of their common path and a new affirmation of music as a universal language of brotherhood.
The stage show, with multimedia projection by Luís Girão, was premiered at the 10th World Music Festival in Sines.
The group was chosen for the official selection of Womex 2010, a competition that closed that year with a concert by Danças Ocultas in the Koncerthuset in Copenhagen. And the repercussions of that were obvious: concerts in 11 countries (some of them for the first time, as in the case of Hungary, Sweden, Croatia and Taiwan) and the release of the ‘best of’ album, Alento, which brings together the four previous albums of originals – on the way to new adventures.
2014 saw the start of a collaboration with the young Brazilian Paris-based singer and cellist, Dom la Nena, which gave rise to the recording of one album, Arco, which brought together themes by both and was presented on tour in Portugal and in other countries, during which time they also continued to perform concerts in their own name.
In 2016, they released a new album – Amplitude – the result of a collaboration with the Orquestra Filarmonia das Beiras. Amplitude is the extent of a vibration. This sound was shared by Danças Ocultas and the Orquestra Filarmonia das Beiras, over two years of stage performances, which converged, in May 2015, in two of the most important concert halls in the country: Sala Suggia at Casa da Música, in Porto, and the Grand Auditorium of the CCB, in Lisbon. They were joined in these concerts by guests Carminho, Dead Combo and Rodrigo Leão, who made a great contribution to spreading musical magic through the packed houses of the two halls. This magic was later shared with the general public with the release of the live recording of these concerts.
This music spilled from the stages of Casa da Música and the CCB on two very particular and special nights, with guests representing both the best of Portuguese music and the more distinguished side of Danças Ocultas’ spirit of adventure. Amplitude is the desire to share this music with a broader audience.
Danças Ocultas are now preparing their new album of originals which will be produced by the Brazilian Jaques Morelenbaum, a well-known conductor, composer and cellist, with a remarkable background of collaborations with Caetano Veloso, Marisa Monte, António Carlos Jobim, Ryuichi Sakamoto, David Byrne and Cesária Évora, among others. This new work will be released both in Portugal and internationally.
Jorge P. Pires

 

DISCOGRAFIA \DISCOGRAPHY

Amplitude | Uguru, 2016
Danças Ocultas & Orquestra Filarmonia das Beiras
Recorded live featuring Carminho, Dead Combo and Rodrigo Leão

Arco | Uguru, 2015
Danças Ocultas Featuring Dom La Nena
Alento | iPlay, 2011

Colectânea/Best of
Tarab | Numérica, 2009
Pulsar | Magic Music, 2004

Travessa da Espera | L’Empreinte Digitale, 2002
Colectânea/Best of, França/France

Ar | EMI-VC, 1998

Danças Ocultas | EMI-VC, 1996

 

IMPRENSA
CD Amplitude 2016


“A música desenha o apelo do aparentemente simples … irradiando uma leveza agradável. A performance pode soar clássica, mas permanece imediatamente acessível de forma fascinante.”

Forum der Kulturen, DE, 2016

“O álbum prova que menos é mais. Amplitude oferece melodias, arcos de suspense e cinema imaginário – bem como entretenimento modesto e tranquilo ao mais alto nível de virtuosismo.”
Soultrainonline.de, DE, 2016

“O quarteto Danças Ocultas conseguiu deixar o circuito dos meros amantes de acordeão e tocar em grandes palcos. A prova disso é este álbum Amplitude.”
JazzThing, DE, 2016

“Amplitude consegue unir de forma sensível dois pólos: folclore e música clássica.”
Jazzthetik, DE, 2016

“Maravilhoso, música para aquecer o coração.”
Expuls, DE, 2016

“Amplitude é um álbum poderoso que abre o seu coração.”
Sound&Image, DE, 2016

“Nos cinco minutos iniciais, ‘Héptimo’ é simplesmente deslumbrante: cheio de tensão, balanço, emocional, intoxicante. Às vezes faz-me lembrar as bandas sonoras de Michael Nyman para os filmes de Peter Greenaway.”
Übersteiger, DE, 2016

 

PRESS
CD Amplitude 2016

“The music renders the appeal of the apparently simple… radiating a pleasant lightness. The performance might sound classical, but remains immediately accessible, in a fascinating way.”
Forum der Kulturen, DE, 2016

“The album proves that less is more. Amplitude offers melodies, suspense curves and imaginary cinema – as well as modest and calm entertainment at the highest level of virtuosity.”
Soultrainonline.de, DE, 2016

“The Danças Ocultas quartet has managed to leave behind the circuit of mere accordion lovers and play on the big stage. The proof of this lies in this album, Amplitude.”
JazzThing, DE, 2016

Amplitude manages to sensitively unite two poles: folklore and classical music.”
Jazzthetik, DE, 2016

“Wonderful, music to warm the heart.”
Expuls, DE, 2016

Amplitude is a powerful album that opens your heart.”
Sound&Image, DE, 2016

“In the first five minutes, Héptimo is simply dazzling: full of tension and balance, emotional and intoxicating. At times it made me think of Michael Nyman’s soundtracks for Peter Greenaway films.”
Übersteiger, DE, 2016

 


INFO

Arte das Musas
mail@artedasmusas.com

www.artedasmusas.com

Mais informações em www.foradolugar.pt
Further information at www.foradolugar.pt

Concertos: Entrada livre sujeita à lotação das salas
Por motivos de segurança a porta será encerrada assim que a lotação estiver preenchida. As portas abrem +-30‘ antes do início dos concertos.

Concerts: Free entry subject to room capacity
For safety reasons, the door will be shut as soon as the room is full to capacity. Doors open +-30’ before the concerts start.