Back to All Events

Noite Cheia/Full Night: Lançamento Livro/Book Release + Filme Documental/Documentary Film "Do ramo de uma árvore/From the branch of a tree"

NOITE CHEIA
FULL NIGHT
LANÇAMENTO LIVRO
BOOK RELEASE
FILME DOCUMENTAL
DOCUMENTARY FILM

Sáb. / Sat.
1.12.18 > 20:30-23-30
Idanha-a-Nova
Centro Cultural Raiano

Do ramo de uma árvore

DO RAMO DE UMA ÁRVORE
FROM THE BRANCH OF A TREE

LANÇAMENTO LIVRO BOOK RELEASE
FILME DOCUMENTAL DOCUMENTARY FILM

A palheta de 8 furos.
Reinterpretação da palheta de José dos Reis (Monsanto, 1911-1996). 
Um projecto de Filipe Faria e Pedro Castro
com os mestres construtores
Mário Estanislau e Vítor Félix.

The 8-hole palheta.
A reinterpretation of the instrument of José dos Reis (Monsanto, 1911-1996).
A project by Filipe Faria and Pedro Castro
with master instrument builder
Mário Estanislau and Vítor Félix.

FILIPE FARIA
PEDRO CASTRO
MÁRIO ESTANISLAU
VÍTOR FÉLIX

CONVIDADOS
JOÃO SOEIRO DE CARVALHO
PAULO LONGO


PT Conhecer, preservar, renovar, são princípios essenciais da estratégia de intervenção cultural do Município de Idanha-a-Nova. A sua aplicação é absolutamente transversal às mais diversas áreas de abordagem, visando um desenvolvimento que se quer marcado pelo diálogo entre a herança de um tempo mais ou menos longo – a tradição – e a inovação, enquanto instrumento susceptível de renovar processos de continuidade a par da introdução de novas dinâmicas. (...)

EN Essential principles of the Municipality of Idanha-a-Nova’s cultural intervention strategy include the promotion, preservation and renovation of knowledge. All areas of activity are underpinned by this strategy, which aspires to development marked by dialogue between varying degrees of heritage – tradition – and innovation, used as an instrument capable of renewing processes of preservation and of introducing new dynamics. (...)

PAULO LONGO


PT O instrumentário musical popular português que hoje conhecemos é o resultado da contaminação inevitável da viagem, do gosto, da experiência ou da necessidade. Deste corpus vivo destacam-se aqueles instrumentos que representam a tradição de uma comunidade ou região, encarados como elementos identitários fundamentais. A par deste existe um outro, vivido, no passado, com igual fulgor e proximidade, mais ou menos presente na experiência dos dias de hoje, mais ou menos comum a todo o território e para além dele, que é parte essencial da nossa memória sonora colectiva. (...)

EN The instruments of Portuguese folk music we know today are inevitably the cumulative result of travel, taste, experience and necessity. The instruments which stand out among this living corpus are those which represent the tradition of a particular community or region as fundamental elements of their identity. Alongside this living set of instruments exists another which shone with equal brilliance and significance in the past; a body of instruments that remain more or less present today throughout their territory and beyond and which remain an essential part of our collective aural memory. (...)

FILIPE FARIA


PT A palheta é um instrumento musical único, que possui um significado particular para a história da música e da cultura das últimas cinco décadas em Portugal e, em particular, para a região raiana de Idanha-a-Nova. Trata-se de um caso em que um objecto, de carácter simples, adquire inesperadamente uma grande capacidade semântica no domínio cultural, e que requer uma observação atenta. (...)

EN The palheta, a traditional Portuguese folk aerophone, is a unique musical instrument of particular significance in the last five decades of musical and cultural history in Portugal and in the border region of Idanha-a-Nova in particular. The palheta is an example of a simple object unexpectedly acquiring a considerable semantic significance in the cultural domain, and thus deserves to be analysed in detail. (...)

JOÃO SOEIRO DE CARVALHO


PT Este objecto musical icónico foi o ponto de partida criativo para chegarmos a um instrumento actual cuja aparência estética e sonora esteja claramente baseada e inspirada na original, mas cujas possibilidades musicais e técnicas lhe permitam uma presença mais alargada e fácil de integrar em diversos contextos musicais. Não pretende substituir nem melhorar o instrumento tradicional, mas sim existir como um projecto criativo autónomo, resultante da colaboração entre as exigências musicais de um artista da actualidade e o refinamento e capacidade técnica dos construtores dos nossos dias. (...)

EN This iconic musical object was the creative starting point for the development of an instrument whose aesthetic and sonic characteristics are clearly inspired by the original, but whose musical and technical capabilities increase its potential for integration in a wide range of musical contexts.
It seeks neither to replace nor improve the traditional instrument, but rather to exist as an autonomous creative project, the result of bridging the musical demands of an artist of the present day with the refinement and technical capacity of contemporary master instrument builders. (...)

PEDRO CASTRO


FILIPE FARIA

PT Filipe Faria nasceu, em Lisboa, em 1976. Pai, músico, autor, programador, produtor e in-vestigador licenciou-se em Ciências Musicais pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa em 1998. Em 2000 termina a Pós-Graduação em Musicologia pela Universidade Autónoma de Lisboa, em 2002 a Especialização do Mestrado em Ciências Documentais pela Universidade de Évora e em 2004 a Pós-Graduação do Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro pela Universidade de Lisboa/Faculdade de Letras/Instituto de História de Arte. Funda e co-coordena o projecto de licenciatura e pós-graduação em Ciências Musicais - UAL - em 1999/2001 e funda e coordena o projecto de Licenciatura em Educação Musical - ISCE - em 2008/2009. Em 2000 funda a produtora e editora Arte das Musas da qual é gestor e director artístico e de produção e com a qual desenvolve projectos originais e parcerias nacionais e internacionais nas áreas da arte, cultura e comunicação. Funda, em 2003, o Festival Terras sem Sombra de Música Sacra do Baixo Alentejo, do qual foi director artístico e de produção entre 2003 e 2010, e, em 2012, o Fora do Lugar - Festival Internacional de Músicas Antigas - em Idanha-a-Nova, do qual é director artístico e de produção. Estes projectos originais têm o apoio do Ministério da Cultura e da Direcção-Geral das Artes entre outras entidades. Foi elemento efectivo do Coro Gulbenkian entre 1998 e 2013 tendo realizado digressões em Portugal, Espanha, França, Itália, China, Estados Unidos da América, Malta, Holanda, Bélgica, Alemanha, Inglaterra, Japão, Israel, entre outros, e músico freelancer em ensembles de música antiga nacionais no mesmo período. Em 1999 funda o consort de música antiga e contemporânea Sete Lágrimas, que co-dirige, com uma discografia de 12 títulos e uma carreira de mais de 350 concertos em Festivais e Centros Culturais da Europa e Ásia como Portugal, Bulgária, Itália, Malta, Espanha, China, Suécia, França, Bélgica, Noruega, Luxemburgo e República Checa. Em 2012 funda o projecto Noa Noa com uma discografia de 4 títulos e mais de 50 concertos em Portugal, França, Bélgica e Japão. Em 2015 edita o seu primeiro livro, o poema gráfico “Um dia normal”. Em 2016 e 2017 cria os projectos multi-disciplinares “Todas as noutes passadas” (com Pedro Castro e Carla Albuquerque) e “Como dormirão meus olhos?” (com Pedro Castro), ambos sob encomenda do Centro Cultural de Belém/Fábrica das Artes em parceria com a Zonzo Compagnie (Bélgica) e com o financiamento do programa Europa Criativa da União Europeia. Em 2018 edita o CD dedicado à música original (escrita em colectivo com Pedro Castro) para “Todas as noutes passadas”. Completou o Curso Geral do Conservatório Nacional em 1992, o Curso Complementar de Violino do Conservatório Nacional de Lisboa/FMAC em 1997, o Curso de Fotografia do Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual – com o fotógrafo Roger Meintjes, em 1995, o Curso de Pintura da Sociedade Nacional de Belas Artes entre 2001 e 2005 com os pintores Paiva Raposo e Mário Rita e, a convite, o Atelier Livre de Pintura da SNBA, com o pintor Jaime Silva, em 2005. Em 2014 é convidado para a Comissão de Candidatura de Idanha-a-Nova à Rede das Cidades Criativas da UNESCO na área da Música aprovada em 2015 por esta entidade. Desde 2015 representa Idanha-a-Nova como stakeholder em meetings internacionais UNESCO na Suécia, Japão, Polónia, etc. 

EN Filipe Faria was born in Lisbon in 1976. A father, musician, author, programmer, produ-cer, researcher... he graduated in Musical Sciences from the School for Social Sciences and Humanities/Universidade NOVA de Lisboa in 1998. He completed a postgraduate specialisation in Documentation Science at the History Department of the Universidade de Évora in 2002 and a postgraduate course from the master’s programme in Art, Heritage and Restoration Theory at the Institute of Art History at the Universidade de Lisboa in 2004. He established and jointly coordinated the UAL undergraduate and postgraduate programme in Musical Sciences in 1999/2001. In 2008/2009, he established and coordinated UAL’s Musical Sciences undergraduate programme. In 2002, he established the production and publishing company Arte das Musas, for which he is managing artistic director, developing original projects and national and international partnerships in the areas of art, culture, and communication. In 2003, he established the Sacred Music Festival - Terras sem Sombra - in Baixo Alentejo (Portugal), assuming the role of artistic and production director between 2003-2010, and the Fora do Lugar - International Early Music(s) Festival - in Idanha-a-Nova, for which he has been director since 2012. These original projects receive support from among other organisations, the Portuguese Ministry of Culture and the Directorate-General for the Arts. He was member of the Gulbenkian Choir between 1998-2013, participating in tours of Portugal, Spain, France, Italy, China, the United States, Malta, Holland, Belgium, Germany, England, Japan, and Israel, among others, and was a freelance musician in Portugal’s early music ensembles during the same period. In 1999, he founded the early and contemporary music consort Sete Lágrimas, of which he is co-director. Sete Lágrimas has a discography of 12 titles and has performed 350 concerts at festivals and cultural centres in Europe and Asia, including Portugal, Bulgaria, Italy, Malta, Spain, China, Sweden, France, Belgium, Norway, Luxembourg and the Czech Republic. In 2012, he established the Noa Noa project, with a discography comprising 4 titles and more than 50 concerts in Portugal, France, Belgium and Japan. In 2015, he published his first book, the graphic poem “Um dia normal” (“A normal day”). In 2016 and 2017, he created the multi-disciplinary projects “All of the nights gone by” (with Pedro Castro and Carla Albuquerque) and “How will my eyes sleep?” (with Pedro Castro), both commissioned by the Centro Cultural de Belém/Fábrica das Artes in partnership with Zonzo Compagnie (Belgium) and with funding from the European Union Creative Europe programme. In 2018, he released a CD featuring the original music of “All of the nights gone by” (written together with Pedro Castro). He completed the National Conservatory General Course in 1992, the Complementary Violin Course at the National Conservatory of Lisbon/FMAC in 1997, the Ar.Co Photography Course in 2005, the Painting Course at the Sociedade Nacional de Belas Artes between 2001-2005, and, by invitation, the SNBA Open Painting Studio in 2005.  In 2014, he was invited to join the Idanha-a-Nova Candidature Committee in the area of music for the UNESCO Creative Cities Network application, which was approved in 2015. Since then Filipe has represented Idanha-a-Nova as a stakeholder in several international UNESCO meetings in Sweden, Japan, Poland and other locations.


PEDRO CASTRO

PT Pedro Castro nasceu, no Porto, em 1977. Diplomado pela Escola Superior de Música de Lisboa sob a orientação de Pedro Couto Soares e pelo Conservatório Real de Haia na Holanda sob a orientação de Sebastian Marq (flauta) e Ku Ebbinge (oboé barroco). No âmbito do mestrado em artes musicais na Universidade Nova de Lisboa realizou a tese “Serenata L’Angelica – um estudo performativo”. No âmbito do doutoramento em música pela Universidade de Aveiro realizou a tese “A serenata na corte de D. Maria I e o legado de João de Sousa Carvalho (1777-
-1792)”. A sua actividade profissional inclui várias orquestras e agrupamentos de instrumentos históricos nos principais centros artísticos Europeus. Em Outubro de 2010 realizou a estreia moderna da Serenata “L’Angelica” de João de Sousa Carvalho, cuja gravação foi lançada em 2016 pela editora NAXOS, também sob a sua direcção artística. Em 2012 dirigiu a Ópera “Paride ed Elena” de Gluck no âmbito de um projecto do estúdio de ópera da ESML. Como solista  apresentou-se com a Orquestra Capela Real, Orquestra Divino Sospiro e Orquestra Barroca da Casa da Música com concertos para oboé e orquestra de Vivaldi, Telemann, Marcello e J.S. Bach. No oboé clássico e com o Quarteto Arabesco apresentou-se com o quarteto de Mozart, ícone do repertório virtuosístico do classicismo. Colabora também com os Sete Lágrimas com o qual realizou várias gravações e tournés pela europa. É coordenador artístico do Concerto Campestre. Lecciona oboé histórico e música de câmara na ESML e na ESMAE.

EN Pedro Castro was born in Porto in 1977. He graduated from the Escola Superior de Música de Lisboa (ESMAE) under the tutelage of Pedro Couto Soares and from the Royal Conservatoire in The Hague, Holland, under the tutelage of Sebastian Marq (flute) and Ku Ebbinge (Baroque oboe). As part of his master’s degree in musical arts from the Universidade Nova de Lisboa, he produced the thesis “Serenata L’Angelica – um estudo performativo” [“Serenata L’Angelica – a performative study”]. Similarly, as part of his doctoral studies in music at the Universidade de Aveiro, he completed the thesis “A serenata na corte de D. Maria I e o legado de João de Sousa Carvalho (1777-1792)” [“The serenade in the court of Queen Maria I and the legacy of João de Sousa Carvalho (1777-1792)”]. His professional activities include participation in numerous early instrument orchestras and groups in the principal European artistic centres. In October 2010, he performed the modern debut of João de Sousa Carvalho’s “Serenata L’Angelica”, the recording of which was launched in 2016 by the NAXOS label, also under his artistic direction. In 2012, he directed the Gluck Opera “Paride ed Elena” as part of a project for the ESML opera studio.  As a soloist, he has collaborated with the orchestras Capela Real, Divino Sospiro and the Casa da Música Baroque Orchestra,performing concertos for oboe and orchestra by Vivaldi, Telemann, Marcello and J.S. Bach. On the classical oboe and with the Quarteto Arabesco, he performed the Mozart quartet, an icon of the  classical repertoire. He also works with Sete Lágrimas, with whom he has produced numerous recordings and participated in several tours around Europe. He is artistic coordinator for the Concerto Campestre and teaches historical oboe and chamber music at the ESML and at the ESMAE.