7/20 SETE LÁGRIMAS @ RTP ANTENA 2

7/20 NOTÍCIAS

Nos 20 anos de Sete Lágrimas... o programa Caleidoscópio da Antena 2, da autoria de João Godinho, visitou os nossos projectos de diálogo entre a música antiga e a contemporânea...

RTP Antena 2
Caleidoscópio
de João Godinho
Episódio 16/2/2019
Obs: do minuto 13'45'' ao minuto 27'00’’
Link: https://www.rtp.pt/play/p330/e390289/caleidoscopio


...que bom (re)escutar estes projectos essenciais para a construção e afirmação da nossa gramática e identidade... como músicos, como grupo... ainda por cima enquadradas pela leitura e palavras tão amáveis do compositor João Godinho.

Há 20 anos não imaginávamos que este projecto de vida chegasse aqui, por estes caminhos, montes e vales... com tantas horas de música, tantos quilómetros em terra, ar e água...

As obras "Genesis I-III", "Lamentation I-III" e "Passio I-III" são uma encomenda Arte das Musas, de 2009, aos compositores Ivan Moody, Andrew Smith e João Madureira (respectivamente), especialmente escritas para Sete Lágrimas. Estas obras foram editadas, no mesmo ano, no disco "Silêncio" (MU0106) e contaram com as vozes de Filipe Faria, Sérgio Peixoto e Zsuzsi Tóth (Hungria), o oboé da caccia e o oboé barroco de Pedro Castro, a flauta doce de Inês Moz Caldas, a tiorba e alaúde de Hugo Sanches e Tiago Matias e o violoncelo barroco de Diana Vinagre.

A obra "Missa de Pentecostes" é uma encomenda do arcebispo José Tolentino Mendonça e da Comunidade da Capela do Rato (Lisboa), de 2010, ao compositor João Madureira também especialmente para Sete Lágrimas. Esta obra foi editada, no mesmo ano, no disco "Vento" (MU0110) com as vozes de Filipe Faria e Sérgio Peixoto, a viola da gamba de Sofia Diniz e a tiorba de Hugo Sanches.

A obra "Missa Mínima" é uma encomenda Arte das Musas aos compositores, directores artísticos e vozes de Sete Lágrimas Filipe Faria e Sérgio Peixoto - escrita em dois períodos separados por 16 anos - e foi editada, em 2016, no disco homónimo "Missa Mínima" (MU0116), com as vozes de Filipe Faria e Sérgio Peixoto e as flautas de Pedro Castro.

Nas palavras de João Godinho:

"Na primeira parte do programa de hoje prosseguimos viagem à descoberta da música de compositores dos séculos XX e XXI que recorrem a instrumentos de época, ou que estabelecem um diálogo com a estética dos períodos barroco ou renascentistas, mas desta vez com um enfoque especial na música portuguesa.

É cada vez mais frequente ensembles especializados em música antiga encomendarem novas peças a compositores. Em Portugal encontramos vários exemplos de criações musicais neste contexto.

Um dos projectos com mais trabalho desenvolvido neste campo é português e chama-se Sete Lágrimas. Este projecto, fundado em 1999 por Filipe Faria e Sérgio Peixoto, tem-se dedicado a criar diálogos entre a música antiga e a contemporânea, entre a música erudita e a popular ou entre músicos de diferentes raízes e horizontes estéticos.

Ao longo de 20 anos de intensa actividade, Sete Lágrimas conta já com mais de uma dúzia de trabalhos discográficos. No contexto dos projectos de diálogo entre a música antiga e a contemporânea encontramos o disco Silêncio: um projecto de nova música sacra para a estética e instrumentário da música antiga, que contemplou encomendas de novas criações a Ivan Moody, Andrew Smith e João Madureira. (...)

Escutámos duas peças que podemos encontrar no disco Silêncio, editado em 2009 pelo grupo Sete Lágrimas. Respectivamente Genesis, de Ivan Moody, compositor inglês residente em Portugal e nascido em 1964, e Pater, de João Madureira, compositor nascido em 1971.

No ano seguinte, 2010, Sete Lágrimas dedicou-se a um outro projecto de diálogo entre a música antiga e a contemporânea, Vento, uma nova encomenda ao compositor João Madureira, “Missa de Pentecostes”. (...)

Escutámos dois dos andamentos da Missa de Pentecostes do compositor João Madureira, respectivamente sobre textos de Teixeira de Pascoaes e Maria Gabriela Llansol. Encontramo-los no disco Vento, do grupo Sete Lágrimas.

A encerrar o programa de hoje, dedicado à criação musical contemporânea portuguesa com instrumentos e formações instrumentais características da música antiga, proponho escutarmos ainda mais um dos depurados trabalhos de Sete Lágrimas, uma obra composta por Sérgio Peixoto e Filipe Faria em dois períodos, a dezasseis anos de distância um do outro (1999-2015). Uma obra inspirada nas paisagens e gentes das terras de Idanha, para 2 vozes, 2 instrumentos de percussão e flauta de bisel: "Missa Mínima"."

Sete Lágrimas
by ARTE DAS MUSAS

Supported by:
Ministério da Cultura
Direcção-Geral das Artes

Partner:
Idanha-a-Nova
UNESCO Creative City of Music