NOA NOA

Filipe Faria
voz/voice
chalumeau
tin whistle
melódica/melodica
viela/medieval fiddle
adufe
berimbau/jew's harp..

Tiago Matias
vihuela
guitarra romântica/
romantic guitar
alaúde/lute
guitarra barroca/
baroque guitar, colascione
saz

+ Baltazar Molina percussão/percussion

"The Words of Love (…) Two young Portuguese musicians initiated the Noa Noa project which has become famous; it is on the lookout for the music culture of the Iberian peoples resulting in numerous exhibitions, studies and the “audible attachment", the Noa Noa records. (...) Highly, highly recommended."

Péter Kirali in Classical Music Compass, Crítica/Review, Hungria/Hungary 2018

 

Biografia

Fundado por Filipe Faria e Tiago Matias em 2012 – antecipando o 110º aniversário da morte do pintor pós-impressionista Paul Gauguin (1848-1903) – Noa Noa procura explorar, em música, as fronteiras da liberdade criativa que os artistas da viragem do século XIX para o XX propunham alcançar.

A liberdade criativa que se vivia na Europa de então encontra paralelo na História da Música Ocidental do século XVIII no qual o músico era formado para saber cantar, tocar um ou mais instrumentos, improvisar, compor e dirigir. A tradição de resposta sem fronteiras ao apelo criativo é tão antiga como o Homem e volta a ter eco nas tendências recentes da moderna prática da Música Antiga com a constatação de que o músico no passado tinha uma formação multifacetada que contrasta com a super-especialização a que se chegou no século XX e XXI. A própria redescoberta dos instrumentos históricos e das suas técnicas de execução tem vindo a iluminar o passado, mas ao mesmo tempo tem servido de inspiração a compositores contemporâneos para novas obras, linguagens e estéticas.

Em Noa Noa, Filipe Faria e Tiago Matias assumem o papel antigo do músico multifacetado e poli-instrumentista bebendo tanto duma intensa experiência profissional de mais de uma década na área da Música Antiga como do gosto comum pelo risco e pela capacidade íntima da música.

De uma visão descomplexada e informal dos repertórios europeus para voz e alaúde, dos séculos XVI a XVIII, às músicas populares da Ibéria e da Europa com os cheiros e travos inevitáveis do torna viagem – marca de água da Europa pós aventura marítima – a música de Noa Noa assume uma construção moderna tendo como ponto de partida o diálogo essencial da voz com a multiplicidade de instrumentos antigos de corda pulsada.

Em 2014 Noa Noa lança o seu primeiro trabalho discográfico dedicado à memória colectiva definida pelas diversas culturas e línguas ibéricas, uma manta de sons “para além do Ebro” que resultou no português, castelhano, mirandês, galego, asturiano, basco ou catalão. Com o apoio do Ministério da Cultura (ex Secretaria de Estado da Cultura), da Direcção-Geral das Artes e da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova este projecto, intitulado “Língua (vol.1)”, viaja entre o que há de mais comum e mais diferente na História da cultura ibérica explorando as fronteiras geográficas, culturais e conceptuais da tradição e da ancestralidade com a contemporaneidade ou a interculturalidade. Este trabalho esteve no primeiro lugar do TOP de vendas FNAC na área da Música Clássica/Música do Mundo/Jazz durante três meses tendo sido um dos discos mais vendidos em Portugal entre Julho e Novembro de 2014. A primeira edição esgotou em quatro meses estando a ser preparada a segunda edição.

Na Temporada de 2012/2013 Noa Noa apresentou-se em concerto em Idanha-a-Velha (Palácio Marrocos), Aveiro (Museu de Aveiro), Braga (Festival “Música nos Claustros”), Águeda (Fundação Dionísio PInheiro), Monsanto (Festival Internacional de Músicas Antigas, Fora do Lugar) com os convidados especiais Artur Fernandes (Danças Ocultas) e João Hasselberg (Luísa Sobral, “Whatever It Is You’re Seeking, Won’t Come In The Form You’ re Expecting”), etc…

Na mesma Temporada, Noa Noa é convidado para uma parceria artística na instalação “A Manta” de Cristina Rodrigues, peça icónica do Museu Rural para o Século XXI/21st Century Rural Museum/Idanha-a-Velha resultado da parceria com o projecto Design for Desertification DfD, Câmara Municipal de Idanha-a-Nova (CMIN), Manchester Metropolitan University, MIRIAD e Oralities Project/UE. Esta exposição esteve patente na Sé Catedral de Idanha-a-Velha, MUDE- Museu do Design e da Moda (Lisboa), Mosteiro dos Jerónimos/Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa), etc… Em 2014 esta instalação esteve patente na Machester Cathedral (Inglaterra) e no MAM/São Paulo (Brasil).

Em 2014 o grupo apresentou a digressão de lançamento do disco “Língua, vol.1” com concertos no Centro Cultural Raiano (Idanha-a-Nova), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova) - com os convidados especiais Cardo-Roxo e Adufeiras de Idanha-a-Nova -, Centro Cultural de Cascais (Cascais) -  com os convidados Joana Espadinha e João Hasselberg -, Teatro Aveirense (Aveiro) - com Ana Bacalhau e José Pedro Leitão (Deolinda) e Miguel Calhaz -, Grande Auditório do Conservatório de Coimbra (Coimbra) com João Hasselberg -, e Festival Fora do Lugar (Monsanto, Idanha-a-Nova) - com João Hasselberg.

Em 2015 Noa Noa lança o segundo volume do projecto “Língua” - “Língua, vol.2” - e apresenta uma temporada de concertos em Portugal: CCB- Centro Cultural de Belém (Lisboa), ISA (Lisboa), FNAC Chiado (Lisboa), Teatro Joaquim Benite (Almada). Festival Sons de Almada Velha (Almada), Museu de Aveiro (Aveiro), Oliveira do Bairro (Quartel das Artes), etc... e uma digressão europeia na Flemish Opera (Ghent, Bélgica), Bozar (Bruxelas, Bélgica), DeSingel (Antuérpia, Bélgica) e Opéra de Lille (Lille, França) com o projecto “Babel, ou Quando falamos todos a mesma língua”, uma encomenda Centro Cultural de Belém/Fábrica das Artes em parceria com a Zonzo Compagnie (Bélgica) e integrado no Festival Europeu Big Bang.

Em 2016 lança o seu terceiro CD dedicado às canções sefarditas cantadas em ladino - “De la mar” - apresenta-se no Festival Lua Cheia, Arte na Aldeia (Coêdo, Vila Real), Antiga Sé de Idanha-a-Velha, BTL (Lisboa), Festival Páscoa Judaica e Cristã (Medelim), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova), etc... e uma digressão ao Japão (Hamamatsu World Music Festival) onde se apresenta no Main Hall do ACT CITY...

Em 2017 lança o seu quarto CD, o segundo volume do projecto dedicado às canções sefarditas em ladino.

Em parceria com a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova e a Arte das Musas, Noa Noa assume, no início de 2013, o estatuto de Artists-in-Residence neste concelho – com base na Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha. Esta parceria concretiza-se na promoção de residências artísticas regulares que permitem olhar para o universo musical muito particular desta região raiana a partir de dentro, junto da população, dos músicos e artistas locais e dos seus espaços e hábitos.

No mesmo ano Noa Noa assume ainda o estatuto de projecto parceiro do Festival Fora do Lugar, Festival Internacional de Músicas Antigas.

O nome do ensemble é inspirado no inovador livro de Paul Gauguin de 1901 no qual o artista descreve os tempos passados em retiro criativo na Polinésia francesa, em especial no Tahiti. Envolto em polémica, tanto Gauguin como o seu Noa Noa são ainda hoje sinónimos de liberdade criativa.

Noa Noa é apoiado pelo Ministério da Cultura/Direcção-Geral das Artes e é representado pela produtora Arte das Musas

 

Biography

Founded by Filipe Faria and Tiago Matias in 2012 – in anticipation of the 110th anniversary of the death of the post-impressionist artist Paul Gauguin’ (1848-1903) – Noa Noa is a musical exploration ofthe frontiers of creative freedom that the artists from the 18th to the 19th century were aspiring to.

The kind of creative freedom that existed in Europe at that time has parallels in the history of the western music of the 18th century during which period a musician was educated to sing, play more than one instrument, improvise, compose or conduct his or her own piece of music. The tradition of a free response to the creative appealis as old as Man himself, and it seems to be felt again in recent modern practices of Early Music, as evidencedby the multifaceted education of the musician, in comparison to the super-specialization in the 20th and 21st centuries. The rediscovery of historical instruments themselves and techniques required to play them have highlighted the past but at the same time served as an inspiration for contemporary composers.

In the Noa Noa project, Filipe Faria and Tiago Matias assume the role of the ancient musician, multifaceted and multi-instrumentalist, drawing on their substantial professional experience of more than a decade in the Early Music domain, coupled with their penchant for such risky projects and the intimacy the music can reach.

From this uninhibited informal interpretation of the 16th, 17th and 18th European repertoire for voice and lute, to the Iberian and European folkloric music, along with its inevitable own taste and scent of the journeysa watermark ofsea adventures ? the music of Noa Noa assumes a modern construction starting from the essential dialogue of the voice with the multiplicity of ancient string instruments.

In 2014 Noa Noa released its first CD dedicated to the collective memory of the different Iberian cultures and languages, a plaid of sounds “beyond the river Ebro” resulting in the Portuguese, Castilian, Mirandese, Galician, Asturian, Basque or Catalan languages. With the support of Ministry of Culture o Portugal, the General-Directorate for the Arts and the Municipality of Idanha-a-Nova, this project, called “Lingua (vol. 1)” (Lingua = Language/Tongue), ranges from the most common to the most distinctive aspects of the history of the Iberian culture. It explores the geographic, cultural and conceptual frontiers of the tradition and ancestrally, along with contemporary and intercultural concepts.

This CD achieved the first place of the TOP FNAC in the area of Classical Music/ World Music/Jazz for three months and was one of the best selling albums in Portugal between July and November 2014. The first edition sold out in four months being prepared the second edition.

In the Season 2012/2013 Noa Noa performed in Idanha-a-Velha (Palacio Marrocos), Aveiro (Museu de Aveiro), Braga (Festival “Musica nos Claustros”), Agueda (Fundacao Dionisio PInheiro), Monsanto (Festival Internacional de Musicas Antigas, Fora do Lugar) with special guests Artur Fernandes (Dancas Ocultas) and Joao Hasselberg (Luisa Sobral, “Whatever It Is You’re Seeking, Won’t Come In The Form You’ re Expecting”), etc…

In 2013 Noa Noa was invited to be a partner and special guest in the installation art “A Manta” (“The Blanket”) by Cristina Rodrigues, an iconic piece of the 21st Century Rural Museum/Idanha-a-Velha, resulting from the partnership with the project Design for Desertification DfD, City Council of Idanha-a-Nova (CMIN), Manchester Metropolitan University, MIRIAD and Oralities Project/UE, exhibited in the Idanha-a-Velha Cathedral until September 2013.

In 2014 Noa Noa presented the tour for the album “Lingua, vol.1” “Language, vol.1” in Centro Cultural Raiano (Idanha-a-Nova), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova) - with special guests Cardo-Roxo and Adufeiras de Idanha-a-Nova -, Centro Cultural de Cascais (Cascais) - with special guests Joana Espadinha e Joao Hasselberg -, Teatro Aveirense (Aveiro) - with special guests Ana Bacalhau and Jose Pedro Leitao (Deolinda) and Miguel Calhaz -, Grande Auditorio do Conservatorio de Coimbra (Coimbra) with Joao Hasselberg -, and Festival Fora do Lugar (Monsanto, Idanha-a-Nova) - with Joao Hasselberg.

In 2015 Noa Noa released the second volume of the projecto “Lingua” - Lingua, vol.2” - and presents a concert season in Portugal: CCB- Centro Cultural de Belem (Lisbon), ISA (Lisbon), FNAC Chiado (Lisbon), Teatro Joaquim Benite (Almada). Festival Sons de Almada Velha (Almada), Museu de Aveiro (Aveiro), Oliveira do Bairro (Quartel das Artes), etc... and a European tour in the Flemish Opera (Ghent, Belgium), Bozar (Brussels, Belgium), DeSingel (Antwerp, Belgium) and Opera de Lille (Lille, France) with the project “Babel” in partnership with e Zonzo Compagnie (Belgium) and integrated into the Big Bang Festival.

In 2016 Noa Noa will release their third CD dedicated to the Sephardic songs sung in Ladino and has a scheduled season at the Festival Lua Cheia, Arte na Aldeia (Coedo, Vila Real), Antiga Se de Idanha-a-Velha, BTL (Lisbon), Festival Pascoa Judaica e Crista (Medelim), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova), etc... and an international tour to Japan (Hamamatsu World Music Festival) performing in the Main Hall of the ACT CITY.

In 2017 Noa Noa will publish it's fourth CD, the second volume of the project  lança o seu quarto CD, o segundo volume do projecto dedicado às canções sefarditas em ladino.

In partnership with the City Council of Idanha-a-Nova and the Arte das Musas in 2013, Noa Noa assumes the title of Artists-in-Residence in this region ensconced in the historical village of Idanha-a-Velha. This partnership will evidenced by the promotion of regular artistic residences along the season in partnership with the Municipality of Idanha-a-Nova. These residences will reflect a point of view of the musical heritage, very close to the population, the musicians and other local artists, along with their spaces and habits.

Noa Noa also assumes the role of partner in the Fora do Lugar Festival, Early Musics International Festival, at Idanha-a-Nova.

Its name is inspired by the 1901 book by Paul Gauguin, in which the artist describes the time spent in creative retirement in the French Polynesia, in particular, Tahiti. Both polemic, Gauguin and his Noa Noa are still synonymous with creative freedom.

Noa Noa is supported by the Ministry of Culture and the Directorate-General for the Arts (Portuguese Government) and represented by the Arte das Musas productions.

Translation: Tiago Cassola Marques/Diana Gonsalves